Conferencistas convidados

Alfredo Lescano

Alfredo Lescano leciona na Universidade de Toulouse, orienta estudantes de mestrado na EHESS (Paris) e de doutorado na Universidade Pompeu Fabra (Barcelona). Desenvolve, com Zoé Camus, o Programa dos programas, destinado a produzir uma ontologia semântica para a conflitualidade social. Em torno deste programa, foi criado um grupo de pesquisa internacional e interdisciplinar (ciências da linguagem, ciências políticas, sociologia, urbanismo), batizado “Coletivo Programa”.

Carlos Vogt 

Carlos Vogt, poeta e linguista, é pós-graduado em teoria da literatura e literatura comparada pela Universidade de São Paulo, mestre em linguística geral e estilística do francês, pela Universidade de Besançon, na França, e doutor em ciências pela Universidade Estadual de Campinas ─ Unicamp. Recebeu em 2005 a comenda da Ordem do Mérito Científico, da Presidência da República do Brasil, e o título de doutor honoris causa da École Normale Supérieure de Lyon, na França. Desde setembro de 2011, ocupa a cadeira 23 da Academia Campinense de Letras. É professor emérito e coordenador do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), da Unicamp onde foi reitor no período de 1990 a 1994. É pesquisador emérito do CNPq. Publicou vários livros e inúmeros artigos e ensaios em jornais, revistas em órgãos especializados nacionais e internacionais. É diretor de redação da revista de divulgação científica ComCiência. Foi editor-chefe da Ciência e Cultura, revista da SBPC, de 2002 a 2007, e, novamente, desde 2018, da revista Inovação, de 2006 a 2007. Foi diretor de redação da revista Pré-Univesp, de 2012 a 2016.  Foi presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), de 2002-2007, secretário de Ensino Superior do Estado de São Paulo, entre 2007 e 2010 e presidente da Fundação Universidade Virtual do Estado de São Paulo – Univesp, de 2012 a 2016. É presidente do Conselho Científico e Cultural do Instituto de Estudos Avançados (IdEA), da Unicamp.

Cristina Altman

Professor Titular do Departamento de Lingüística da Universidade de São Paulo, onde atua desde 1983. Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1977), mestrado em Lingüística pela Universidade de São Paulo (1986) e doutorado em Lingüística pelas Universidades Católica de Louvain (Leuven, Bélgica) e de São Paulo (1993). Realizou estágios pós-doutorais na Universidade de Harvard e no M.I.T. (1999); na Universidade de Amsterdam (2006); no Instituto Iberoamericano de Berlin em duas ocasiões (2009 e 2014) e na Tokyo University of Foreign Studies (2010). Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Pragmática, e trabalha principalmente em torno dos seguintes temas: historiografia lingüística, lingüística brasileira, gramáticas coloniais sul-americanas, estruturalismo lingüístico. 

Diana Luz Pessoa de Barros

Diana Luz Pessoa de Barros é professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie e professora titular aposentada da Universidade de São Paulo, no Brasil. Em 2017, recebeu o título de Professor Emérito da Universidade de São Paulo. Foi presidente da Associação Brasileira de Linguística (1991/1993), representante da Área de Linguística no Comitê de Letras do CNPq (1997/1998, 2006/2009) e Secretária Geral da Associação de Linguística e Filologia da América Latina (2008/2014). Publicou livros, capítulos e artigos nos domínios, sobretudo, da teoria e análise dos discursos, dos estudos da língua falada, da semiótica discursiva e da história das ideias linguísticas. Algumas dessas publicações são: Teoria do discurso. Fundamentos semióticos; Teoria semiótica do texto; Dialogismo, polifonia e intertextualidade: em torno de Bakhtin (com J. L. Fiorin); Os discursos do descobrimento: 500 e mais anos de discursos; Greimas en América Latina: bifurcaciones (com T. Espar); A fabricação dos sentidos (com J. L. Fiorin); History of Linguistics 2002 (com Eduardo Guimarães); Preconceito e intolerância: reflexões linguístico-discursivas; Margens, periferias, fronteiras: estudos linguístico-discursivos das diversidades e intolerâncias. A gramática e seu interfaceamento com os campos de atuação na comunidade (com M. H. de M. Neves).

Eduardo Gruimarães

Eduardo Guimarães é graduado em Letras pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Santo Tomás de Aquino de Uberaba, mestre e doutor em Letras pela Universidade de São Paulo; é atualmente professor colaborador no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas, professor visitante junto ao Programa de Pós-graduação em Linguística da Universidade Estadual do Mato Grosso (UNEMAT), e Pesquisador 1B do CNPq. Desenvolve pesquisas nas áreas de semântica da enunciação, história das ideias linguísticas e Saber Urbano e Linguagem. É coordenador do Laboratório de Estudos Urbanos (Labeurb) da Unicamp, foi diretor da Editora da Unicamp. Diretor do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp,presidente daAnpoll e membro do conselho da Anpoll e da Abralin. Publicou, entre outros, os livros Texto e ArgumentaçãoHistória e Sentido na Linguagem (org.)Semântica do AcontecimentoHistória da Semântica: Sujeito, sentido e Gramática no Brasil; Análise de TextoSemântica: Enunciação e SentidoUn Dialogue Atlantique (co-org.)History of linguistics 2002: Selected Papers from the Ninth International Conference on the History of the Language Sciences (co-org), além de possuir grande número de artigos em periódicos brasileiros e estrangeiros.

Kohei Kida Kohei

KIDA é doutor em Ciências da Linguagem (EHESS Paris) e professor na Universidade Keio, no Japão. Suas pesquisas se concentram sobre a articulação entre língua e discurso, a interface semântica-pragmática em uma perspectiva argumentativa.

 

Márcia Romero

Márcia Romero é professora da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade Federal de São Paulo (EFLCH – UNIFESP). Seus trabalhos, inscritos no campo da Linguística da Enunciação, têm por referencial a Teoria das Operações Predicativas e Enunciativas (TOPE) de Antoine Culioli. Com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), tem desenvolvido pesquisas direcionadas à elaboração de uma gramática enunciativa do português brasileiro.

María Marta García Negroni

María Marta García Negroni é professora da Universidade de San Andrés (Argentina) e pesquisadora principal no Conselho Nacional da Pesquisa Científica e Técnica (CONICET). Recebeu o Diploma da Fundação Konex na disciplina: Teoria Linguística e Literária, Argentina (2006 ), e a medalha Chevalier na Ordem das Palmas Acadêmicas do Ministério da Educação Nacional, França (2017). Suas pesquisas inscrevem-se na análise da argumentação linguística e da polifonia enunciativa, em uma perspectiva dialógica. Há vários anos, vem desenvolvendo a Abordagem Dialógica da Argumentação e da Polifonia (EDAP), um modelo teórico e analítico que se propõe a ver, no funcionamento polifônico e argumentativo da linguagem, a expressão linguística das relações intersubjetivas enquanto analisa a dinâmica argumentativa como essencialmente dialógica. No quadro de suas pesquisas sobre diferentes aspectos da semântica e da pragmática do espanhol, publicou mais de 50 artigos em revistas especializadas, cerca de cinquenta capítulos de livros publicados por prestigiosas editoras nacionais e internacionais (Eudeba, Paidós, John Benjamins, Mouton de Gruyter, Iberoamericana / Vervuert, Peter Lang, Visor, Colegio de México).

Michèle Monte

Michèle Monte é professora emérita de linguística e estilística na Universidade de Toulon. Seus trabalhos de semântica textual e enunciativa versam, por um lado, sobre a produção e a recepção dos discursos políticos e midiáticos, e sobre a poesia francesa, por outro. Ela define a interpretação do poema como o resultado de uma interação variável entre três dimensões textuais: semântica, estética e enunciativa. Coordenou, em 2016, com Hugues Laroche, O éthos em poesia na revista online Babel. Literaturas plurais e, em 2018, com Philippe Wahl e Stéphanie Thonnerieux, Estilística & método. Quais níveis de pertinência textual? na PUL.

Sonia Gomez Jordana 

Sonia Gómez-Jordana é professora da Universidade Complutense de Madrid. Ela leciona linguística textual, semântico-pragmática, Francês Língua Estrangeira (FLE) e tradução. Sua pesquisa desenvolve-se, principalmente, sobre os marcadores do discurso e os enunciados sentenciosos e sobre a presença da argumentação nos discursos (político, dramatúrgico, epistolar). Depois de ter concluído sua tese de doutorado em cotutela entre a EHESS e a Universidade Complutense, com uma permanência de dois anos como pesquisadora-membro da Casa de Velázquez, Sonia Gómez-Jordana atua, na UCM, no âmbito da Graduação em Estudos Franceses e do Mestrado Hispano-Francês em Língua francesa aplicada (UCM-Sorbonne).

Valdir do Nascimento Flores

Valdir do Nascimento Flores é professor Titular de Língua Portuguesa e Linguística da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.  Realizou estudos de pós-doutorado na Université de Paris XII e na Université de Paris X. Foi professor visitante no Institut des textes et manuscrits modernes (ITEM – CNRS/ENS) na França, onde ministrou cursos sobre a recepção das ideias de Saussure e Benveniste no Brasil. É editor da Editora da ABRALIN (juntamente com Gabriel de Ávila Othero). Os temas de suas pesquisas circunscrevem-se a dois campos: aspectos epistemológicos da Linguística Geral (Ferdinand de Saussure; Roman Jakobson, Émile Benveniste, entre outros) e Linguística da Enunciação (Émile Benveniste, Henri Meschonnic, Antoine Culioli, entre outros).  Recentemente publicou o livro Problemas gerais de linguística (2019), pela Editora Vozes. É pesquisador do CNPq.